Isaías 55, 10-11

Assim fala o Senhor. «A chuva e a neve que descem do céu não voltam para lá sem terem regado a terra, sem a haverem fecundado e feito produzir, para que dê a semente ao semeador e o pão para comer. Assim a palavra que sai da minha boca não volta sem ter produzido o seu efeito, sem ter cumprido a minha vontade, sem ter realizado a sua missão».

Compreender a Palavra

O profeta percebe que Deus está acima do homem e é preciso procurá-lo com uma mentalidade nova. Os pensamentos de Deus estão distantes dos nossos pensamentos. Para entender o mistério de um Deus que sendo maior que o homem está próximo dele, é necessária a acção da palavra. A palavra de Deus tem a força da realização. O profeta apresenta o exemplo da chuva que cai e fecunda a terra. A palavra de Deus vem à história dos homens, à vida de cada um e torna-se vida, acontecimento, porque realiza o que diz. Perante as promessas de Deus o homem questiona-se se será possível a sua realização. A palavra de Deus é Deus na sua palavra agindo e fecundando o coração da história.

Meditar a Palavra

A conversão é mais uma ação de Deus do que nossa. A palavra escutada, acolhida, abraçada, mastigada no coração, como a semente que se esconde no interior da terra, é fecundada pela chuva do amor divino gerando o homem novo nascido da vontade de Deus. É um mistério, sim, pensar que, o que sou, pode ser transformado pela palavra que escuto da boca de Deus. É um mistério pensar que as minhas opções, critérios e valores podem ser transformados em potencial de graça e santidade. É maior do que eu tudo o que Deus realiza em mim com a sua palavra. Mas aí está a força da vontade de Deus que se manifesta na palavra por ele pronunciada.

Rezar a Palavra

Faz soar em mim a tua palavra, Senhor, como chuva de bênçãos e recria-me no mesmo amor com que me fizeste surgir do nada. Alimenta-me com a palavra da esperança que a tua vontade torna realidade e fecunda-me no amor que me transforma em lugar da tua presença salvadora.

Compromisso

Vou ser atualizador da palavra de Deus para os meus irmãos.

 


 

 

Evangelho: Mt 6, 7-15

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Quando orardes, não digais muitas palavras, como os pagãos, porque pensam que serão atendidos por falarem muito. Não sejais como eles, porque o vosso Pai bem sabe do que precisais, antes de vós Lho pedirdes. Orai assim: ‘Pai nosso, que estais nos Céus, santificado seja o vosso nome; venha a nós o vosso reino; seja feita a vossa vontade assim na terra como no Céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje; perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido; e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal’. Porque se perdoardes aos homens as suas faltas, também o vosso Pai celeste vos perdoará. Mas se não perdoardes aos homens, também o vosso Pai não vos perdoará as vossas faltas».

Compreender a Palavra

Jesus fala aos discípulos sobre a oração. O caminho da oração de Jesus não é o dos pagãos. Jesus coloca-se diante do Pai com plena confiança e em atitude de acolhimento dos sentimentos e da vontade do Pai. Esta oração é um escutar o coração de Deus e não um desfiar de palavras apaziguadoras da ira da divindade como faziam os pagãos. Jesus, é muito claro, quer nas palavras quer na sua atitude diante de Deus.

Meditar a Palavra

A minha oração é muitas vezes uma oração pagã. Começo por pensar que Deus não me ajuda e permite que me aconteçam desgraças, e depois coloco-me diante dele numa atitude pagã de desfiar palavra para que Ele me escute e atenda. Falta-me esta atitude de confiança e de escuta. Preciso de aprender com Jesus a escolher as palavras fundamentais que revelem o meu coração a Deus e me revelem o coração de Deus. Preciso de aprender o silêncio que permite que Deus venha a mim e me ensine os seus sentimentos de confiança e de perdão.

Rezar a Palavra

Senhor, ando absorvido com o que hei-de comer e vestir, preocupado com o dia de amanhã. Não tenho a paz interior de quem sabe que tu não permites que nada me falte. Ensina-me, Senhor, a pedir o pão de hoje para mim e para os meus irmãos numa partilha justa de bens. Ensina-me a partilhar também os bens espirituais do perdão e do amor misericordioso, que aceita o outro na sua debilidade, e faz-me experimentar alegria nessa atitude tranquila de filho diante do Pai.

Compromisso

Sinto desejo de rezar as palavras do Pai-Nosso com uma atitude nova e sinto o apelo a repartir o pão que tenho com o meu irmão. Será esse o meu compromisso de hoje.