Apresentação da Virgem santa Maria
Memória
No dia seguinte à dedicação da basílica de santa Maria a Nova, no ano 543, construída junto ao muro do antigo templo de Jerusalém, celebra-se a dedicação – Apresentação da Virgem santa Maria – que a Mãe de Deus fez de si mesma, desde a infância, movida pelo Espírito Santo, que a encheu de graça na sua Imaculada Conceição. Esta memória está relacionada com uma piedosa tradição atestada pelo evangelho apócrifo de Tiago. Remonta ao século VI no Oriente e ao século XIV no Ocidente.

LEITURA I Zc 2, 14-17

Exulta e alegra-te, filha de Sião, porque Eu venho habitar no meio de ti – oráculo do Senhor. Nesse dia, muitas nações hão de aderir ao Senhor; elas serão o meu povo e Eu habitarei no meio de ti. Então reconhecerás que o Senhor do Universo me enviou a ti. O Senhor voltará a possuir Judá, como sua herança na terra santa, e Jerusalém será de novo a cidade escolhida. Cale-se toda a criatura diante do Senhor, porque Ele Se levantou da sua santa morada.

compreender a palavra
Zacarias profetiza em tempos de reconstrução do templo de Jerusalém, no pós-exílio de Babilónia. O povo que regressa à sua terra vive a tristeza de ver tudo desmoronado e a experiência de reconstruir tudo de novo, para habitar a terra que o Senhor prometeu como herança aos seus antepassados. Neste contexto surgem as palavras de alento do profeta convidando à alegria. A razão é a chegado do Senhor que vem habitar no meio do seu povo. Nesse dia todos reconhecerão o Senhor e este restabelecerá a sua cidade como lugar da sua presença.

meditar a palavra
Quantas vezes experimentamos a nossa vida como uma cidade desmoronada onde não ficou pedra sobre pedra. Reconstruir é sempre um trabalho difícil porque se vive a mistura de sentimentos. Por um lado, a nostalgia do que se viveu anteriormente e por outro, a esperança de ver ainda o resultado final do trabalho de reconstrução. O convite à alegria, por causa daquele que vem salvar, o Messias, ecoa como uma boa notícia que nos arranca da nostalgia para a certeza de que Deus cumpre as suas promessas. Maria, que hoje celebramos, é a portadora desta notícia de salvação, porque foi escolhida para vir a ser a mãe do salvador. Apresentada ao Senhor, ela torna-se pertença daquele a quem se entrega e ensina-nos a viver empenhados na escuta da palavra que tem poder para realizar todas as promessas feitas por seu filho.

rezar a palavra
Senhor Jesus, Messias prometido e esperado pela humanidade de todos os tempos, alegra as nossas vidas com a tua chegada e pela tua palavra, faz-nos dignos membros do teu povo, como Maria que escutou e pôs em prática a tua palavra sem hesitação.

compromisso
Contemplo Maria no mistério da sua apresentação porque é a digna mãe do Senhor.

EVANGELHO Mt 12, 46-50

Naquele tempo, enquanto Jesus estava a falar à multidão, chegaram sua Mãe e seus irmãos. Ficaram do lado de fora e queriam falar-Lhe. Alguém Lhe disse: «Tua Mãe e teus irmãos estão lá fora e querem falar contigo». Mas Jesus respondeu a quem O avisou: «Quem é minha mãe e quem são meus irmãos?». E apontando para os discípulos, disse: «Estes são a minha mãe e os meus irmãos: todo aquele que fizer a vontade de meu Pai que está nos Céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe».

compreender a palavra
Mateus retrata uma cena da vida de Jesus cheia de complexidade. Não é fácil definir muito bem o que significa o facto de a Mãe de Jesus e os irmãos ficarem “do lado de fora”. Creio que devemos pensar que Mateus faz uma catequese à comunidade cristã. Jesus está a falar às multidões, não deve ser propriamente dentro de casa, mas Mateus insiste que uns estão fora e outros dentro. Possivelmente alguns estão à porta. Jesus aponta para os discípulos, eles são os que estão dentro, e diz que eles e os que fizerem a vontade do Pai são a sua família.

meditar a palavra
Ao colocar Maria, a Mãe de Jesus, fora do local onde Jesus está, Mateus diz-me que o assunto é sério. Até Maria, se não fizer a vontade do Pai, pode ficar de fora. Se isto pode acontecer com a Mãe de Jesus, como será comigo? A vida em Cristo é para ser levada a sério e preciso tornar-me discípulo de Jesus e preciso estar com Ele para chegar ao cumprimento da vontade do Pai.

rezar a palavra
“Estes são” disseste, Senhor, apontando para os teus discípulos. Que dizes de mim? Que palavras posso esperar de ti? Dá-me, Senhor, vontade para te seguir e a coragem para te imitar no cumprimento da vontade do Pai. Que eu possa ouvir-te dizer que também faço parte da tua família.

compromisso
Vou estar atento para não me afastar da presença de Jesus.


OU

Leitura I Ap 14, 1-3.4b-5

Eu, João, vi o Cordeiro de pé, no monte Sião. Com Ele estavam os cento e quarenta e quatro mil que tinham gravados na fronte o nome do Cordeiro e o nome de seu Pai. E ouvi uma voz, vinda do Céu, semelhante ao fragor de águas caudalosas e ao ribombar de forte trovão; mas a voz que eu ouvi era também semelhante ao som de harpistas, tocando as suas harpas. Entoavam um cântico novo diante do trono e na presença dos quatro Seres Vivos e dos Anciãos. Ninguém podia aprender esse cântico, senão os cento e quarenta e quatro mil que foram resgatados da terra. São aqueles que seguem o Cordeiro para onde quer que Ele vá. Foram resgatados de entre os homens como primícias oferecidas a Deus e ao Cordeiro. Na sua boca nunca se encontrou mentira: são irrepreensíveis.

compreender a palavra
João apresenta no Apocalipse sete sinais. A mulher e o menino, referência a Maria e Jesus. Depois, as duas bestas, a marítima que simboliza o império romano e a terrestre que engloba todos os que favorecem e apoiam o culto a César. De seguida aparece o sinal que é apresentado nesta leitura, os cento e quarenta e quatro mil que estão junto do Cordeiro. Temos ainda o anúncio dos três anjos, as três mensagens e por fim o mar de vidro e as sete pragas. Estes cento e quarenta e quatro mil de que fala João, são o povo fiel que tem gravado na fronte o nome do Cordeiro e de seu Pai, foram resgatados porque pertencem a Deus. Entoam um cântico novo, seguem o Cordeiro para toda a parte. O Cordeiro já não está só, está rodeado daqueles que foram encontrados irrepreensíveis, quer dizer, que não se mancharam adorando as bestas, os falsos deuses.

meditar a palavra
Os cento e quarenta e quatro mil mostram-nos que é possível passar pelo mundo sem se deixar contaminar pelo culto pagão, pelo culto aos deuses fabricados pelas mãos dos homens e seguindo o Cordeiro Imolado agora vencedor, porque saiu vitorioso da morte. Também nós podemos ser resgatados pelo Cordeiro e marcados na fronte, porque não pertencemos a este mundo, mas apenas a Deus. Podemos cantar o cântico novo nas nossas comunidades e permanecer de pé diante do Cordeiro, porque o seguimos de o olhar fixo e estamos dispostos a dar a vida, para que a mentira do culto pagão não nos manche e não nos perverta afastando-nos do Senhor nosso Deus.

rezar a palavra
Preserva, Senhor, o meu coração dos falsos deuses que não podem salvar. Têm boca e não falam, têm olhos e não ouvem, têm nariz mas sem olfato. São obra das mãos dos homens. Só tu és o Deus vivo e verdadeiro que, no Cordeiro Imolado nos resgataste de todo o mal, para te pertencermos por toda a eternidade.

compromisso
Analiso a minha vida para me libertar dos deuses que vou acumulando em mim.

Evangelho Lc 21, 1-4

Naquele tempo, Jesus levantou os olhos e viu os ricos deitarem na arca do Tesouro as suas ofertas. Viu também uma viúva muito pobre deitar duas pequenas moedas. Então Jesus disse: «Em verdade vos digo: Esta viúva pobre deu mais do que todos os outros. Todos eles deram do que lhes sobrava; mas ela, na sua penúria, ofereceu tudo o que possuía para viver».

compreender a palavra
O texto apresenta Jesus nas imediações da arca onde os judeus deitavam as ofertas para o Templo. Na sua observação vê homens ricos deitar grandes quantias e uma mulher pobre deitar tudo o que tinha, duas pequenas moedas. A observação de Jesus leva-o a emitir um juízo “esta pobre viúva deu mais do que todos” e explica porquê. A esmola faz parte das obras que um bom judeu devia praticar habitualmente. Dar esmola é construir um tesouro no céu. A observação de Jesus incide sobre o sentido desta esmola e suas motivações. Os ricos dão da sua abundância, os pobres dão da sua pobreza. Os ricos dão o que sobra, os pobres dão o que lhes faz falta. Os ricos têm a sua sobrevivência assegurada, os pobres oferecem a Deus a sua existência, porque depois de darem o que têm não lhes resta mais nada senão esperar a morte como a viúva de Sarepta. Os ricos dão do que exploram às viúvas, as viúvas dão do que mendigaram durante o dia. O valor da esmola não se mede pelo que se dá, mas pelo que se tem.

meditar a palavra
A pobre viúva é-me apresentada hoje como exemplo do verdadeiro discípulo. Eu quero ser discípulo de Jesus e Jesus mostra-me que os seus discípulos são os que se negam a si mesmos, o que negam as seguranças da vida, os que preferem perder a vida por sua causa, os que vendem tudo e voltam para o seguir, aqueles que escolhem a cruz e não as seguranças do mundo. Desta forma, sou convidado a falar a partir da minha própria experiência de existência breve, frágil e desprotegida, mas confiante na força e no poder daquele a quem entreguei toda a minha vida.

rezar a palavra
Recebe, Senhor, a minha existência breve e indefesa. Recebe-me na pobreza do que sou. O meu valor resume-se a duas pequenas moedas. Nada mais sou do que um pobre pedinte que espera o necessário para o dia de hoje. Nada mais quero do que entregar em tuas mãos a pobre segurança que significa o pão de cada dia. Ensina-me, Senhor, a não esperar senão na tua bondade e generosidade para comigo.

compromisso
Hoje é dia de dar esmola.