Autor: admin

Quarta-feira da Semana Santa

Evangelho: Mt 26, 14-25 Naquele tempo, um dos Doze, chamado Iscariotes, foi ter com os príncipes dos sacerdotes e disse-lhes: «Que estais dispostos a dar-me para vos entregar Jesus?» Eles garantiram-lhe trinta moedas de prata. A partir de então, Judas procurava uma oportunidade para O entregar. No primeiro dia dos Ázimos, os discípulos foram ter com Jesus e perguntaram-Lhe: «Onde queres que façamos os preparativos para comer a Páscoa?» Ele respondeu: «Ide à cidade, a casa de tal pessoa, e dizei-lhe: ‘O Mestre manda dizer: O meu tempo está próximo. É em tua casa que Eu quero celebrar a Páscoa com os meus discípulos’». Os discípulos fizeram como Jesus lhes tinha mandado e prepararam a Páscoa. Ao cair da tarde, sentou-Se à mesa com os Doze. Enquanto comiam, declarou: «Em verdade, em verdade vos digo: Um de vós Me entregará». Profundamente entristecidos, começou cada um a perguntar Lhe: «Serei eu, Senhor?» Jesus respondeu: «Aquele que meteu comigo a mão no prato é que vai entregar-Me. O Filho do homem vai partir, como está escrito acerca d’Ele. Mas ai daquele por quem o Filho do homem vai ser entregue! Melhor seria para esse homem não ter nascido». Judas, que O ia entregar, tomou a palavra e perguntou: «Serei eu, Mestre?» Respondeu Jesus: «Tu o disseste». Compreender a Palavra O texto de Mateus está construído a partir de uma atitude de...

Read More

Terça-feira da Semana Santa

Evangelho: Jo 13, 21-33.36-38 Naquele tempo, estando Jesus à mesa com os discípulos, sentiu-Se intimamente perturbado e declarou: «Em verdade, em verdade vos digo: Um de vós Me entregará». Os discípulos olhavam uns para os outros, sem saberem de quem falava. Um dos discípulos, o predilecto de Jesus, estava à mesa, mesmo a seu lado. Simão Pedro fez-lhe sinal e disse: «Pergunta-Lhe a quem Se refere». Ele inclinou-Se sobre o peito de Jesus e perguntou Lhe: «Quem é, Senhor?» Jesus respondeu: «É aquele a quem vou dar este bocado de pão molhado». E, molhando o pão, deu-o a Judas Iscariotes, filho de Simão. Naquele momento, depois de engolir o pão, Satanás entrou nele. Disse-lhe Jesus: «O que tens a fazer, fá-lo depressa». Mas nenhum dos que estavam à mesa compreendeu porque lhe disse tal coisa. Como Judas era quem tinha a bolsa comum, alguns pensavam que Jesus lhe tinha dito: «Vai comprar o que precisamos para a festa»; ou então, que desse alguma esmola aos pobres. Judas recebeu o bocado de pão e saiu imediatamente. Era noite. Depois de ele sair, Jesus disse: «Agora foi glorificado o Filho do homem e Deus foi glorificado n’Ele. Se Deus foi glorificado n’Ele, também Deus O glorificará em Si mesmo e glorificá-l’O-á sem demora. Meus filhos, é por pouco tempo que ainda estou convosco. Haveis de procurar-Me e, assim como disse aos...

Read More

Segunda-feira da Semana Santa

Evangelho: Jo 12, 1-11 Seis dias antes da Páscoa, Jesus foi a Betânia, onde vivia Lázaro, que Ele tinha ressuscitado dos mortos. Ofereceram-Lhe lá um jantar: Marta andava a servir e Lázaro era um dos que estavam à mesa com Jesus. Então Maria tomou uma libra de perfume de nardo puro, de alto preço, ungiu os pés de Jesus e enxugou-Lhos com os cabelos; e a casa encheu-se com o perfume do bálsamo. Disse então Judas Iscariotes, um dos discípulos, aquele que havia de entregar Jesus: «Porque não se vendeu este perfume por trezentos denários, para dar aos pobres?» Disse isto, não porque se importava com os pobres, mas porque era ladrão e, tendo a bolsa comum, tirava o que nela se lançava. Jesus respondeu-lhe: «Deixa-a em paz: ela tinha guardado o perfume para o dia da minha sepultura. Pobres, sempre os tereis convosco; mas a Mim, nem sempre Me tereis». Soube então grande número de judeus que Jesus Se encontrava ali e vieram, não só por causa de Jesus, mas também para verem Lázaro, que Ele tinha ressuscitado dos mortos. Entretanto, os príncipes dos sacerdotes resolveram matar também Lázaro, porque muitos judeus, por causa dele, se afastavam e acreditavam em Jesus. Compreender a Palavra O texto que hoje escutamos está cheio de elementos para a nossa reflexão. Podemos começar por verificar que a cena narrada se situa perto...

Read More

Sexta-feira da Semana V do Tempo da Quaresma

Jeremias 20, 10-13 Disse Jeremias: «Eu ouvia as invectivas da multidão: ‘Terror por toda a parte! Denunciai-o, vamos denunciá-lo!’ Todos os meus amigos esperavam que eu desse um passo em falso: ‘Talvez ele se deixe enganar e assim o poderemos dominar e nos vingaremos dele’. Mas o Senhor está comigo como herói poderoso e os meus perseguidores cairão vencidos. Ficarão cheios de vergonha pelo seu fracasso, ignomínia eterna que não será esquecida. Senhor do Universo, que sondais o justo e perscrutais os rins e o coração, possa eu ver o castigo que dareis a essa gente, pois a Vós confiei a minha causa. Cantai ao Senhor, louvai o Senhor, que salvou a vida do pobre das mãos dos perversos». Compreender a Palavra Jeremias falou desassombradamente em nome do Senhor, parecia inabalável, a sua vida estava segura em Deus, mas agora vê-se rodeado de inimigos que o atacam e esperam que dê um passo em falso. Será Jeremias capaz de se aguentar, ele que parecia mais forte que todos, porque confiava na palavra do Senhor que lhe disse “Far-te-ão guerra, mas não hão de vencer porque eu estou contigo para te salvar” (Jr 1,19)? Os inimigos esperam vê-lo derrotado “Talvez ele se deixe enganar e assim o poderemos dominar e nos vingaremos dele”. A confiança de Jeremias, porém, supera a força dos adversários “o Senhor está comigo”, “cairão vencidos”, “ficarão...

Read More

Quinta-feira da Semana V do Tempo da Quaresma

Genesis 17, 3-9 Naqueles dias, Abrão caiu de rosto por terra e Deus falou-lhe assim: «Esta é a minha aliança contigo: Serás pai de um grande número de nações. Já não te chamarás Abrão, mas Abraão será o teu nome, porque farei de ti o pai de um grande número de nações. Farei que tenhas incontável descendência que dês origem a povos e de ti sairão reis. Estabelecerei a minha aliança contigo e com a tua descendência, de geração em geração. Será uma aliança perpétua, para que Eu seja o teu Deus e o Deus dos teus futuros descendentes. A ti e à tua futura descendência darei a terra em que tens habitado como estrangeiro, toda a terra de Canaã, em posse perpétua. Serei o vosso Deus». Deus disse ainda a Abraão: «Guardarás a minha aliança, tu e a tua descendência futura de geração em geração». Compreender a Palavra Abraão prostra-se por terra diante de Deus que se revela como o Senhor supremo, Deus altíssimo, o Senhor das montanhas e quer fazer uma Aliança com ele. Este gesto é uma atitude de aceitação. Abraão está disposto a aceitar uma aliança com Deus mesmo antes de saber os seus fundamentos. É uma total disponibilidade. Deus fala e percebe-se que é Deus quem se compromete com Abraão. “Serás pai”, “de ti sairão reis” “serei o teu Deus e dos teus descendentes”,...

Read More

Anunciação do Senhor

Isaías 7, 10-14; 8, 10  Naqueles dias, o Senhor mandou ao rei Acaz a seguinte mensagem: «Pede um sinal ao Senhor teu Deus, quer nas profundezas do abismo, quer lá em cima nas alturas». Acaz respondeu: «Não pedirei, não porei o Senhor à prova». Então Isaías disse: «Escutai, casa de David: Não vos basta que andeis a molestar os homens para quererdes também molestar o meu Deus? Por isso, o próprio Senhor vos dará um sinal: a virgem conceberá e dará à luz um filho e o seu nome será ‘Emanuel’, porque Deus está connosco». Compreender a Palavra Celebra-se hoje a solenidade da Anunciação do Senhor. Acaz rei de Israel é a figura que serve de motivo para a revelação de Deus. O rei vive momentos difíceis de derrota frente aos inimigos, não consegue o apoio da Assíria e está claramente só e sem fé no Senhor, Deus de Israel. Deus, através do profeta, mostra-lhe a sua proteção mas o rei não está voltado para o Senhor. A insistência de Deus vai até às palavras que iniciam este pequeno diálogo: “Pede um sinal ao Senhor teu Deus”. O Senhor está disposto a provar com sinais a sua promessa. Mas o rei, com falsa piedade responde, “não porei o Senhor à prova”. O rei não está interessado na salvação pela fé mas na salvação pelas armas. O profeta, irritado, recorda-lhe...

Read More

Terça-feira da Semana V do Tempo da Quaresma

Números 21, 4-9 Naqueles dias, os filhos de Israel partiram do monte Hor para o Mar Vermelho, contornando a terra de Edom. No caminho o povo impacientou-se e falou contra Deus e contra Moisés: «Porque nos fizeste sair do Egipto, para morrermos neste deserto? Aqui não há pão nem água e já nos causa fastio este alimento miserável». Então o Senhor mandou contra o povo serpentes venenosas que mordiam nas pessoas e morreu muita gente de Israel. O povo dirigiu-se a Moisés, dizendo: «Pecámos, ao falar contra o Senhor e contra ti. Intercede junto do Senhor, para que afaste de nós as serpentes». E Moisés intercedeu pelo povo. Então o Senhor disse a Moisés: «Faz uma serpente de bronze e coloca-a sobre um poste. Todo aquele que for mordido e olhar para ela ficará curado». Moisés fez uma serpente de bronze e fixou-a num poste. Quando alguém era mordido por uma serpente, olhava para a serpente de bronze e ficava curado. Compreender a Palavra Num lugar e momento bem determinados no texto, os israelitas deixam de olhar o mistério de Deus para olhar o mistério do mundo, apesar de só verem deserto. A fome e a sede levam-nos a procurar o alimento onde lhes parece mais visível, numa atitude clara de ingratidão para com Deus e para com Moisés que os libertaram da escravidão do Egito. A fome e...

Read More

Segunda-feira da Semana V do Tempo da Quaresma

Daniel 13, 1-9.15-17.19-30.33-62 Naqueles dias, morava em Babilónia um homem chamado Joaquim. Tinha desposado uma mulher chamada Susana, filha de Helcias, muito bela e temente ao Senhor. Os seus pais eram justos e tinham instruído a filha na Lei de Moisés. Joaquim era muito rico e tinha um jardim contíguo à sua casa. Os judeus reuniam-se com ele frequentemente, porque era o mais ilustre de todos eles. Naquele ano tinham designado como juízes dois anciãos do povo, daqueles que o Senhor denunciara, dizendo: «De Babilónia veio a iniquidade de velhos que passavam por dirigentes do povo». Estes dois frequentavam a casa de Joaquim e a eles recorriam todos os que tinham alguma questão de justiça. Quando, ao meio do dia, o povo se retirava, Susana vinha passear para o jardim do seu marido. Os dois velhos observavam-na todos os dias, quando entrava no jardim para passear, e apaixonaram-se por ela. Perverteram a sua mente e desviaram os seus olhos de modo a não olharem para o Céu e não se lembrarem dos seus justos juízos. Estando eles à espera de ocasião favorável, um dia Susana veio, como de costume, acompanhada somente de duas meninas; e, como estava calor, quis tomar banho no jardim. Não se encontrava ali ninguém, senão os dois velhos escondidos a espreitá-la. Susana disse às meninas: «Trazei-me óleo e unguentos e fechai as portas do jardim,...

Read More

Sábado da Semana IV do Tempo da Quaresma

Jeremias 11, 18-20 Quando o Senhor me avisou, eu compreendi; vi então as maquinações dos meus inimigos. Eu era como manso cordeiro levado ao matadouro e ignorava a conjura que tramavam contra mim, dizendo: «Destruamos a árvore no seu vigor, arranquemo-la da terra dos vivos, para não mais se falar no seu nome». Senhor do Universo, que julgais com justiça e sondais os sentimentos e o coração, seja eu testemunha do castigo que haveis de aplicar- lhes, pois a Vós confio a minha causa. Compreender a Palavra Jeremias faz uma confissão pública da sua situação. Ele recebeu do Senhor um avisou sobre a armadilha em que está a ser encerrado por todos os seus inimigos. Está rodeado de gente falsa que o quer ver condenado e ele em silêncio, o silêncio dos inocentes, está a deixar-se levar sem saber que o conduzem injustamente ao matadouro. Para além de inocente, sente que a vida está a meio, que é contra a sua natureza a morte tão prematura. A sua condição de eleito do Senhor, profeta das nações, não lhe servem de garantia perante os inimigos. O poder que lhe foi dado sobre os povos e sobre os reinos não o vai livrar desta morte injusta e prematura. Esta experiência de Jeremias lembram-nos o mistério de Jesus, levado à morte, inocente, sem possibilidade de escapar às mãos dos inimigos. Porém o...

Read More

Fevereiro 2018
D S T Q Q S S
« Jan    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728