Autor: admin

Segunda-feira da Semana XXXIII do Tempo Comum

I Macabeus 1, 10-15.41-43.54-57.62-64  Naqueles dias, da descendência de Alexandre da Macedónia, brotou aquela raiz de pecado, Antíoco Epífânio, filho do rei Antíoco, que, depois de ter estado como refém em Roma, começou a reinar no ano cento e trinta e sete do império grego. Nesses dias, apareceram em Israel homens infiéis à Lei, que seduziram muitas pessoas, dizendo: «Vamos fazer uma aliança com os povos que nos rodeiam, pois desde que nos separámos deles sucederam-nos muitas desgraças». Estas palavras agradaram a muita gente e alguns de entre o povo apressaram-se a ir ter com o rei, que lhes deu autorização para seguirem os costumes dos gentios. Construíram um ginásio em Jerusalém, segundo os usos pagãos; disfarçaram os sinais da circuncisão e afastaram-se da santa aliança; coligaram-se com os estrangeiros e tornaram-se escravos do mal. O rei Antíoco ordenou por escrito que em todo o seu reino formassem todos um só povo e cada qual renunciasse aos próprios costumes. Todas as nações aceitaram as ordens do rei e também muitos homens de Israel adotaram o seu culto, ofereceram sacrifícios aos ídolos e profanaram o sábado. No dia quinze do nono mês do ano cento e quarenta e cinco, o rei mandou construir sobre o altar dos holocaustos a «abominação da desolação» e também nas cidades circunvizinhas de Judá se ergueram altares. Queimaram incenso às portas das casas e nas...

Read More

Sexta-feira da Semana XXXII do Tempo Comum

Sabedoria 13, 1-9 Todos os homens que vivem na ignorância de Deus são verdadeiramente insensatos, porque, pelos bens visíveis, não foram capazes de conhecer Aquele que é, nem reconheceram o Artífice, pela consideração das suas obras. Mas foi o fogo, o vento, o ar ligeiro, o ciclo dos astros, a água impetuosa ou os luzeiros do céu que eles tomaram como deuses e senhores do mundo. Se, fascinados pela beleza das coisas, as tomaram por deuses, reconheçam quanto é mais excelente o seu Senhor, pois foi o Autor da beleza que as criou. Se o que os impressionou foi a sua força e energia, compreendam quanto é mais poderoso Aquele que as fez. Porque a grandeza e a beleza das criaturas, conduzem, por analogia, à contemplação do seu Autor. Contudo, esses homens incorrem apenas em ligeira censura, porque talvez se extraviem, buscando a Deus e desejando encontrá-lo: ocupados na investigação das suas obras, deixam-se seduzir pelas aparências, pois são belas as coisas que veem. Mas nem esses têm desculpa: se conseguiram obter tanta ciência que podem examinar o mundo, como não encontraram mais depressa o Senhor do mundo? Compreender a Palavra O autor do livro da Sabedoria assume-se do lado daqueles que acreditam que o homem pode chegar ao conhecimento de Deus através da criação. Efetivamente a beleza das obras criadas, o poder e a energia com que se...

Read More

Quinta-feira da Semana XXXII do Tempo Comum

Sabedoria 7, 22 – 8, 1 Na Sabedoria há um espírito inteligente, santo, único, multiforme, subtil, veloz, perspicaz, sem mancha; um espírito lúcido, inalterável, amigo do bem; penetrante, irreprimível, benfazejo, amigo dos homens; firme, seguro, sereno; ele tudo pode, tudo abrange e penetra todos os espíritos, os mais inteligentes, mais puros e mais subtis. A Sabedoria é mais ágil que todo o movimento, atravessa e penetra tudo, graças à sua pureza. Ela é um sopro do poder de Deus, emanação pura da glória do Omnipotente; por isso nenhuma impureza a pode atingir. Ela é o esplendor da luz eterna, espelho puríssimo da atividade de Deus, imagem da sua bondade. Sendo única, ela tudo pode e, imutável em si mesma, tudo renova. Ela comunica-se de geração em geração pelas almas santas e forma os amigos de Deus e os profetas, pois Deus só ama quem habita com a Sabedoria. Ela é mais formosa do que o sol e supera todas as constelações. Comparada com a luz, aparece mais excelente, porque à luz sucede a noite, mas a maldade nada pode contra a Sabedoria. Estende o seu vigor dum extremo ao outro da terra e tudo governa com harmonia. Compreender a Palavra O elogio da Sabedoria reconhece que ela vem de Deus e manifesta Deus em toda a sua atividade. É tão deslumbrante na sua ação divina em favor do homem...

Read More

Quarta-feira da Semana XXXII do Tempo Comum

Sabedoria 6, 1-11 Escutai, ó reis, e procurai compreender; aprendei, governantes de toda a terra. Prestai atenção, vós que dominais as multidões e vos orgulhais do número dos vossos povos: Do Senhor recebestes o poder e do Altíssimo a soberania; Ele examinará as vossas obras e sondará as vossas intenções. Sendo ministros do seu reino, não governastes com retidão, não cumpristes a lei, nem seguistes a vontade de Deus. Ele virá sobre vós, terrível e repentino, porque julga severamente os que dominam. Ao mais pequeno perdoa-se por compaixão, mas os grandes serão examinados com rigor. O Senhor de todos não teme ninguém, nem Se impressiona com a grandeza. Ele criou o pequeno e o grande e a sua providência é igual para todos; mas aos poderosos reserva um exame severo. É a vós, soberanos, que se dirigem as minhas palavras, a fim de aprenderdes a Sabedoria e não cairdes em falta. Porque os que santamente tiverem guardado as leis santas serão declarados santos e os que nelas se tiverem instruído encontrarão segura defesa. Procurai ouvir as minhas palavras desejai-as ardentemente e sereis instruídos. Compreender a Palavra A força destas palavras do livro da sabedoria faz com que seja atual para todos os que hoje exercem o poder, político ou religioso, ou autoridade, os pais e educadores. Ninguém pode transmitir ou ensinar o que não sabe. Por isso o convite...

Read More

Terça-feira da Semana XXXII do Tempo Comum

Sabedoria 2, 23 – 3, 9 Deus criou o homem para ser incorruptível e fê-lo à imagem da sua própria natureza. Foi pela inveja do Diabo que a morte entrou no mundo, e experimentam-na aqueles que lhe pertencem. Mas as almas dos justos estão na mão de Deus e nenhum tormento os atingirá. Aos olhos dos insensatos parecem ter morrido; a sua saída deste mundo foi considerada uma desgraça e a sua partida do meio de nós um aniquilamento. Mas eles estão em paz. Aos olhos dos homens eles sofreram um castigo, mas a sua esperança estava cheia de imortalidade. Depois de leve pena, terão grandes benefícios, porque Deus os pôs à prova e os achou dignos de Si. Experimentou-os como ouro no crisol e aceitou-os como sacrifício de holocausto. No tempo da recompensa hão de resplandecer, correndo como centelhas através da palha. Hão de governar as nações e dominar os povos e o Senhor reinará sobre eles eternamente. Os que n’Ele confiam compreenderão a verdade e os que Lhe são fiéis permanecerão com Ele no amor, pois a graça e a fidelidade são para os seus santos e a sua vinda será benéfica para os seus eleitos. Compreender a Palavra O livro da Sabedoria oferece uma profissão de fé na ressurreição apesar de verificar que o homem passa pela experiência do sofrimento e da morte. Os sinais que...

Read More

Segunda-feira da Semana XXXII do Tempo Comum

LEITURA I Sab 1, 1-7 Amai a justiça, vós que governais a terra, pensai corretamente no Senhor e procurai-O com simplicidade de coração. Porque Ele deixa-Se encontrar pelos que não O tentam e revela-Se aos que n’Ele confiam. Os pensamentos tortuosos afastam de Deus e o Omnipotente, posto à prova, confunde os insensatos. A Sabedoria não entra na alma maliciosa, nem habita num corpo sujeito ao pecado. Porque o Espírito sagrado, nosso educador, foge da hipocrisia, afasta-se dos pensamentos insensatos e retira-se quando chega a iniquidade. A Sabedoria é um espírito amigo dos homens, mas não deixa sem castigo as palavras do blasfemo. Porque Deus é testemunha dos seus íntimos sentimentos, observa o seu coração segundo a verdade e ouve as suas palavras. O Espírito do Senhor enche o universo; ele, que abrange todas as coisas, sabe tudo o que se diz. Compreender a Palavra O livro da Sabedoria abre com uma advertência ao coração dos homens. O amor à justiça, o pensamento reto e a simplicidade de coração atrai a Sabedoria. Pelo contrário, o pensamento tortuoso, a insensatez, a hipocrisia afastam o Senhor. Porque o Espírito do Senhor, conhece o coração, os pensamentos mais íntimos e escuta todas as palavras. O Senhor está próximo dos que o procuram e afasta-se dos corações perversos. Meditar a Palavra Esta palavra convida-me a analisar o meu coração. O olhar de Deus...

Read More

Sexta-feira da Semana XXXI do Tempo Comum

​​​​​​​Romanos 15, 14-21 A vosso respeito, irmãos, estou pessoalmente convencido de que estais cheios de bondade, plenos de conhecimento e preparados para vos advertirdes mutuamente. Todavia, para reavivar a vossa memória, escrevi-vos com certa ousadia nalguns pontos, em virtude da graça que me foi concedida por Deus. Porque Ele me fez ministro de Cristo Jesus junto dos gentios, para exercer o sagrado ministério do Evangelho de Deus, a fim de que a oblação dos gentios, santificada pelo Espírito Santo, seja agradável a Deus. Tenho, portanto, motivos para me gloriar no que se refere ao serviço de Deus. Mas eu não ousaria falar senão do que Cristo realizou por meu intermédio, para levar os gentios à obediência da fé, pela palavra e pela ação, pelo poder dos sinais e prodígios, pelo poder do Espírito de Deus. Assim, desde Jerusalém e regiões vizinhas até à Ilíria, dei a conhecer plenamente o Evangelho de Cristo. Tive, contudo, a preocupação de só pregar o Evangelho onde ainda não se tinha invocado o nome de Cristo, para não construir em alicerce alheio. Deste modo faço o que diz a Escritura: «Hão de vê-lo aqueles a quem não foi anunciado e conhecê-lo os que d’Ele não ouviram falar». Compreender a Palavra Paulo sente-se chamado por Deus para ser ministro de Cristo. Este ministério que lhe foi entregue realiza-o junto dos gentios para que, por seu...

Read More

Dedicação da Basílica de Latrão

Ezequiel 47, 1-2.8-9.12 Naqueles dias, o Anjo reconduziu-me à entrada do templo. Debaixo do limiar da porta saía água em direção ao Oriente, pois a fachada do templo estava voltada para o Oriente. As águas corriam da parte inferior, do lado direito do templo, ao sul do altar. O Anjo fez-me sair pela porta setentrional e contornar o templo por fora, até à porta exterior que está voltada para o Oriente. As águas corriam do lado direito. O Anjo disse-me: «Esta água corre para a região oriental, desce para Arabá e entra no mar, para que as suas águas se tornem salubres. Todo o ser vivo que se move na água onde chegar esta torrente terá novo alento e o peixe será mais abundante. Porque aonde esta água chegar, tornar-se-ão sãs as outras águas e haverá vida por toda a parte aonde chegar esta torrente. À beira da torrente, nas duas margens, crescerá toda a espécie de árvores de fruto; a sua folhagem não murchará, nem acabarão os seus frutos. Todos os meses darão frutos novos, porque as águas vêm do santuário. Os frutos servirão de alimento e as folhas de remédio». Compreender a Palavra Celebramos hoje a Festa da Dedicação da Basílica de Latrão. A profecia de Ezequiel, sobre a água que corre como um rio, vindo do templo do Senhor e segue até ao mar, lida hoje,...

Read More

Quarta-feira da Semana XXXI do Tempo Comum

Romanos 13, 8-10 Irmãos: Não devais a ninguém coisa alguma, a não ser o amor de uns para com os outros, pois, quem ama o próximo cumpre a lei. De facto, os mandamentos que dizem: «Não cometerás adultério, não matarás, não furtarás, não cobiçarás», e todos os outros mandamentos, resumem-se nestas palavras: «Amarás ao próximo como a ti mesmo». A caridade não faz mal ao próximo. A caridade é o pleno cumprimento da lei. Compreender a Palavra O amor é a plenitude de lei. Não há lei que possa designar-se natural ou divina que não tenha na sua génese e na sua construção o amor. Deixaria de ser divina se não fosse assim. Paulo reforça a ideia do amor como plenitude da lei e convida os cristãos a sentir sempre que não amaram o suficiente “não devais nada… a não ser o amor”. Amar é cumprir a lei, toda a lei, a lei de Moisés, os mandamentos, em todas as circunstâncias da vida e tem o bem do outro como principal objetivo. Meditar a Palavra O amor é o resumo de tudo o que o nosso coração guarda como desejo de plenitude. Sem amor tudo fica vazio e inútil, desinteressante e pobre. O amor traz em si a realização, o cumprimento, a totalidade do ser. Este amor, e não há outro, não pode confundir-se com interesse próprio, com qualquer...

Read More

Novembro 2017
D S T Q Q S S
« Out    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930