Autor: admin

Cadeira de S. Pedro, Apóstolo

​​​​​​​1 Pedro 5, 1-4  Caríssimos: Recomendo aos anciãos que estão entre vós, eu que sou ancião como eles e testemunha dos sofrimentos de Cristo e também participante da glória que há de ser revelada: Apascentai o rebanho de Deus que vos foi confiado, velando por ele, não constrangidos mas de boa vontade, segundo Deus, não por ganância mas por dedicação, nem como dominadores sobre aqueles que vos foram confiados, mas tornando-vos modelos do rebanho. E quando aparecer o supremo Pastor, recebereis a coroa eterna de glória. Compreender a Palavra Celebramos a Festa da Cadeira de S. Pedro. As palavras de Pedro nesta carta dirigem-se aos anciãos, aos responsáveis pelas comunidades e recomenda-lhes que sejam testemunhas dos sofrimentos de Cristo. Esta recomendação revela o verdadeiro lugar do poder na Igreja, trata-se do poder no serviço. O mais importante é aquele que serve e servir significa experimentar o lugar de Cristo que sofreu pelos outros. Na Igreja o poder há de significar dedicação e não domínio ou ganância. O domínio e a ganância ferem a unidade e a comunhão na Igreja, comunidade dos filhos de Deus iguais em dignidade diante de Deus. Meditar a Palavra O domínio sobre os outros e o aproveitamento da situação de privilégio é uma tentação em qualquer sociedade, grupo ou associação. Por pouco somos tentados a julgar-nos mais do que os outros e a colocarmo-nos acima...

Read More

Quarta-feira da Semana I do Tempo da Quaresma

​​​​​​​Jonas 3, 1-10 A palavra do Senhor foi dirigida a Jonas nos seguintes termos: «Levanta-te, vai à grande cidade de Nínive e apregoa nela a mensagem que Eu te direi». Jonas levantou-se e foi a Nínive, conforme a palavra do Senhor. Nínive era uma grande cidade aos olhos de Deus; levava três dias a atravessar. Jonas entrou na cidade e caminhou durante um dia, apregoando: «Daqui a quarenta dias, Nínive será destruída». Os habitantes de Nínive acreditaram em Deus, proclamaram um jejum e revestiram-se de sacos, desde o maior ao mais pequeno. Logo que a notícia chegou ao rei de Nínive, ele ergueu-se do trono e tirou o manto, cobriu-se de saco e sentou-se sobre a cinza. Depois foi proclamado em Nínive um decreto do rei e dos seus ministros, que dizia: «Os homens e os animais, os bois e as ovelhas, não provem alimento, não pastem nem bebam água. Os homens e os animais revistam-se de sacos e clamem a Deus com vigor; afaste-se cada um do seu mau caminho e das violências que tenha praticado. Quem sabe? Talvez Deus reconsidere e desista, acalmando o ardor da sua ira, de modo que não pereçamos». Quando Deus viu as suas obras e como se convertiam do seu mau caminho, desistiu do castigo com que os ameaçara e não o executou. Compreender a Palavra Conhecemos, ainda que em traços gerais,...

Read More

Terça-feira da Semana I do Tempo da Quaresma

Isaías 55, 10-11 Assim fala o Senhor. «A chuva e a neve que descem do céu não voltam para lá sem terem regado a terra, sem a haverem fecundado e feito produzir, para que dê a semente ao semeador e o pão para comer. Assim a palavra que sai da minha boca não volta sem ter produzido o seu efeito, sem ter cumprido a minha vontade, sem ter realizado a sua missão». Compreender a Palavra O profeta percebe que Deus está acima do homem e é preciso procurá-lo com uma mentalidade nova. Os pensamentos de Deus estão distantes dos nossos pensamentos. Para entender o mistério de um Deus que sendo maior que o homem está próximo dele, é necessária a acção da palavra. A palavra de Deus tem a força da realização. O profeta apresenta o exemplo da chuva que cai e fecunda a terra. A palavra de Deus vem à história dos homens, à vida de cada um e torna-se vida, acontecimento, porque realiza o que diz. Perante as promessas de Deus o homem questiona-se se será possível a sua realização. A palavra de Deus é Deus na sua palavra agindo e fecundando o coração da história. Meditar a Palavra A conversão é mais uma ação de Deus do que nossa. A palavra escutada, acolhida, abraçada, mastigada no coração, como a semente que se esconde no interior da...

Read More

Segunda-feira da Semana I do Tempo da Quaresma

Levítico 19, 1-2.11-18 O Senhor dirigiu-Se a Moisés, dizendo: «Fala a toda a comunidade dos filhos de Israel e diz-lhes: ‘Sede santos, porque Eu, o Senhor, vosso Deus, sou santo. Não furtareis, não direis mentiras, nem cometereis fraudes uns com os outros. Não prestarás juramento falso, invocando o meu nome, pois profanarias o nome do teu Deus. Eu sou o Senhor. Não oprimirás nem expropriarás o teu próximo. Não ficará contigo até ao dia seguinte o salário do jornaleiro. Não insultarás um surdo nem colocarás tropeços diante de um cego, mas temerás o teu Deus. Eu sou o Senhor. Não cometerás injustiças nos teus julgamentos: não prejudicarás um pobre, nem darás preferência ao poderoso; julgarás o teu próximo segundo a justiça. Não caluniarás os teus parentes, nem conspirarás contra a vida do teu próximo. Eu sou o Senhor. Não odiarás do íntimo do coração os teus irmãos, mas corrigirás o teu próximo, para não incorreres em falta por causa dele. Não te vingarás, nem guardarás rancor contra os filhos do teu povo. Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o Senhor’». Compreender a Palavra O capítulo dezanove de Levítico apresenta, como o próprio título indica, um conjunto de normas de conduta, morais e religiosas. Estas normas estão inspiradas nos dez mandamentos que, são aqui aprofundados para serem postos em prática com mais exatidão. É interessante verificar...

Read More

Domingo I do Tempo da Quaresma

Mistagogia da Palavra A proclamação do reino de Deus por Jesus, neste I Domingo da Quaresma, exige-nos uma conversão profunda, que aceite existencialmente o Evangelho, quer dizer, a Boa Nova que nos liberta do materialismo mercantilista, da religião interesseira, da tirania dos ídolos. Transformar-se em cristão é morrer para o homem terreno e seus critérios antiquados e abrir-se ao homem novo em Cristo. Somente progredindo na tarefa diária e sempre inacabada desta conversão, é possível o nascimento do homem novo e, consequentemente, da terra e céus novos, que esperamos, onde habite a justiça. A 1ª leitura é do Livro do Génesis. Após o dilúvio, que não foi um desastre provocado por Deus, mas é só um símbolo da ruína terrível que o pecado do homem provoca, Deus renova a sua aliança. É que Deus nunca Se resigna perante o mal, mas intervém para o reparar, para reconstruir, para renovar. O amor de Deus é completamente gratuito. Deus não espera que o homem seja bom para ser generoso para com ele; Ele sabe que o homem é infalivelmente pecador, mas ama-o e com seu amor transforma-o em nova criatura. A 2ª leitura é da Primeira Epístola de S. Pedro. Pedro retoma a história do dilúvio para explicar os efeitos do Baptismo. Noé salvou-se por meio da arca que Deus lhe tinha mandado construir. A água do Baptismo produz os mesmos...

Read More

Sexta-feira depois das Cinzas

Leitura: Is 58, 1-9a Eis o que diz o Senhor Deus: «Clama em altos brados sem cessar, ergue a tua voz como trombeta. Faz ver ao meu povo as suas faltas e à casa de Jacob os seus pecados. Todos os dias Me procuram e desejam conhecer os meus caminhos, como se fosse um povo que pratica a justiça, sem nunca ter abandonado a lei do seu Deus. Pedem-Me sentenças justas, querem que Deus esteja perto de si e exclamam: ‘De que nos serve jejuar, se não Vos importais com isso? De que nos serve fazer penitência, se não prestais atenção?’ Porque nos dias de jejum correis para os vossos negócios e oprimis todos os vossos servos. Jejuais, sim, mas no meio de contendas e discussões e dando punhadas sem piedade. Não são jejuns como os que fazeis agora que farão ouvir no alto a vossa voz. Será este o jejum que Me agrada no dia em que o homem se mortifica? Curvar a cabeça como um junco, deitar-se sobre saco e cinza: é a isto que chamais jejum e dia agradável ao Senhor? O jejum que Me agrada não será antes este: quebrar as cadeias injustas, desatar os laços da servidão, pôr em liberdade os oprimidos, destruir todos os jugos? Não será repartir o teu pão com o faminto, dar pousada aos pobres sem abrigo, levar roupa aos...

Read More

Quinta-feira depois das Cinzas

Leitura: Deut 30, 15-20 Moisés falou ao povo, dizendo: «Ponho hoje diante de ti a vida e a felicidade, a morte e a infelicidade. Se cumprires os mandamentos do Senhor, teu Deus, que hoje te proponho – amando o Senhor, teu Deus, seguindo os seus caminhos e observando a sua lei, os seus mandamentos e preceitos – viverás e multiplicar-te-ás e o Senhor, teu Deus, te abençoará na terra de que vais tomar posse. Mas se o teu coração se desviar e não quiseres ouvir, se te deixares seduzir para adorar e servir outros deuses, declaro-te hoje que hás-de perecer e não prolongarás os teus dias na terra em que vais entrar para dela tomar posse depois de passares o Jordão. Tomo hoje o céu e a terra como testemunhas contra vós: proponho-vos a vida e a morte, a bênção e a maldição. Portanto, escolhe a vida, para que vivas tu e a tua descendência, amando o Senhor, teu Deus, escutando a sua voz e aderindo a Ele. Disto depende a tua vida e a longa permanência na terra que o Senhor jurou dar a teus pais Abraão, Isaac e Jacob». Compreender a Palavra O texto de Deuteronómio que escutamos na quinta-feira depois das cinzas faz parte de um longo discurso homilético. O contexto litúrgico destas palavras percebe-se facilmente pela expressão “hoje”. Este “hoje”, o hoje de Deus, dia...

Read More

Quarta-feira de Cinzas

​​​​​​​Leitura I: Joel 2, 12-18 Diz agora o Senhor: «Convertei-vos a Mim de todo o coração, com jejuns, lágrimas e lamentações. Rasgai o vosso coração e não os vossos vestidos. Convertei-vos ao Senhor, vosso Deus, porque Ele é clemente e compassivo, paciente e misericordioso, pronto a desistir dos castigos que promete. Quem sabe se Ele não vai reconsiderar e desistir deles, deixando atrás de Si uma bênção, para oferenda e libação ao Senhor, vosso Deus? Tocai a trombeta em Sião, ordenai um jejum, proclamai uma reunião sagrada. Reuni o povo, convocai a assembleia, congregai os anciãos, reuni os jovens e as crianças. Saia o esposo do seu aposento e a esposa do seu tálamo. Entre o vestíbulo e o altar, chorem os sacerdotes, ministros do Senhor, dizendo: ‘Perdoai, Senhor, perdoai ao vosso povo e não entregueis a vossa herança à ignomínia e ao escárnio das nações. Porque diriam entre os povos: Onde está o seu Deus?’». O Senhor encheu-Se de zelo pela sua terra e teve compaixão do seu povo. Compreender a Palavra Joel é um profeta muito interessante, vale a pena lê-lo. Ele é capaz de perceber a presença de Deus e a sua mensagem nas coisas simples da vida quotidiana, porque contempla a vida com os olhos da novidade permanente. Neste texto que escutamos em quarta-feira de cinzas, salta à vista a afirmação de abertura “convertei-vos a...

Read More

Terça-feira da Semana VI do Tempo Comum

Tiago 1, 12-18 Feliz o homem que resiste à tentação, porque, depois de ter sido provado, receberá a coroa da vida que o Senhor prometeu aos que o amam. Ninguém diga, quando for tentado para o mal: «É Deus que me tenta.» Porque Deus não é tentado pelo mal, nem tenta ninguém. Cada um é tentado pela sua própria concupiscência, que o atrai e seduz. E a concupiscência, depois de ter concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte. Não vos enganeis, meus amados irmãos. Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, no qual não há mudanças nem períodos de sombra. Por sua livre decisão, nos gerou com a palavra da verdade, para sermos como que as primícias das suas criaturas. Compreender a Palavra Diante das provações muitos cristãos desanimavam e experimentavam o pecado da infidelidade, do abandono da fé e da recusa do Senhor Jesus. Perante esta situação, muitos julgavam que tanto a provação como o pecado vinham de Deus. É Deus quem nos prova e, portanto, é Deus a causa do nosso pecado. Ora, Tiago vem ensinar que Deus só pode comunicar o que é bom, o dom perfeito. O pecado vem da concupiscência que, alimentada por nós, nos inclina para o mal gerando em nós o pecado. De Deus...

Read More

Fevereiro 2018
D S T Q Q S S
« Jan    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728