Sexta-feira da Semana VI do Tempo Pascal

Atos dos Apóstolos 18, 9-18
Quando Paulo estava em Corinto, certa noite o Senhor disse-lhe numa visão: «Não temas, continua a falar, que Eu estou contigo e ninguém porá as mãos sobre ti, para te fazer mal, pois tenho um povo numeroso nesta cidade». Então Paulo demorou-se ali ano e meio a ensinar aos coríntios a palavra de Deus. Quando Galião era procónsul da Acaia, os judeus levantaram-se todos contra Paulo e levaram-no ao tribunal, dizendo: «Este homem induz as pessoas a prestarem culto a Deus à margem da lei». Quando Paulo ia a abrir a boca, disse Galião aos judeus: «Judeus, se se tratasse de alguma injustiça ou grave delito, escutaria certamente as vossas queixas, como é meu dever. Uma vez, porém, que são questões de doutrina e de nomes da vossa própria lei, o assunto é convosco. Eu não quero ser juiz dessas coisas». E mandou-os sair do tribunal. Todos então se apoderaram de Sóstenes, chefe da sinagoga, e começaram a bater-lhe em frente do tribunal. Mas Galião não se importou nada com isso. Paulo demorou-se ainda algum tempo em Corinto; depois despediu-se dos irmãos e embarcou para a Síria, em companhia de Priscila e Áquila, e rapou a cabeça em Cêncreas, por causa de um voto que fizera.

Compreender a Palavra
A confiança de Paulo e a presença do Senhor na vida dele e dos companheiros marcam o terreno desta experiência. Paulo é “visitado” pelo Senhor numa noite. Corinto é uma cidade grande e próspera de gente simples mas de maus costumes. Paulo anunciou ali a palavra de Deus e sentiu grande aceitação por parte das pessoas, mas, no entanto, os judeus, não se sentiram confortáveis com o anúncio de Paulo e moveram-lhe uma perseguição. Na realidade não tiveram muito êxito porque Galião preferiu não se meter em questões religiosas, cumprindo-se as palavras do Senhor a Paulo “Não temas, continua a falar, que Eu estou contigo e ninguém porá as mãos sobre ti, para te fazer mal, pois tenho um povo numeroso nesta cidade”.

Meditar a Palavra
O Senhor tem um povo numeroso nesta cidade e esta deve ser a maior preocupação de Paulo e dos companheiros, a nossa preocupação. Do seu povo podem fazer parte todos os homens, pagãos, judeus crentes e mesmo os que de forma violente recusam o evangelho. A Igreja, povo de Deus, não se fecha a ninguém e dá do seu tempo, (Paulo demorou-se), com tranquilidade a acolher uns, a ensinar outros e a conduzir para o mistério de Cristo os que acolhem com fé a novidade do evangelho. Muitos não quererão entrar e fazer parte, mas isso não perturba a Igreja porque a sua missão é responder aos apelos do Senhor, certa de que não está só, o Senhor acompanha-a na sua missão.

Rezar a Palavra
Senhor, nem sempre é fácil agradar àqueles a quem anunciamos o evangelho. A tua palavra incomoda, provoca reação, gera contradição e muitos não querem escutar. Dá-nos a confiança suficiente, como a Paulo, de que estás presente e não permites que seja inútil a nossa missão juntos do teu povo.

Compromisso
Hoje é dia de anunciar: vou falar àqueles que me rodeia das razões da minha fé.


Evangelho: Jo 16, 20-23ª
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Em verdade, em verdade vos digo: Chorareis e lamentar-vos-eis, enquanto o mundo se alegrará. Estareis tristes, mas a vossa tristeza converter-se-á em alegria. A mulher, quando está para ser mãe, sente angústia, porque chegou a sua hora. Mas depois que deu à luz um filho, já não se lembra do sofrimento, pela alegria de ter dado um homem ao mundo. Também vós agora estais tristes; mas Eu hei-de ver-vos de novo e o vosso coração se alegrará e ninguém vos poderá tirar a vossa alegria. Nesse dia, não Me fareis nenhuma pergunta».

Compreender a Palavra
Repete-se aqui o versículo 20, que escutámos ontem, para ligar com a parábola da mulher que dá à luz e assim entendermos o que Jesus nos quer dizer. Está próximo um tempo em que Jesus deixará de ser visto e que provocará tristeza nos seus discípulos, mas essa tristeza não será para sempre, porque depois virá um tempo em que o poderão ver de novo e a alegria será ainda maior. Como acontece com a mulher diante do filho recém-nascido, assim os discípulos esquecerão a tristeza que sentiram diante da alegria nova que significará a ressurreição de Jesus.

Meditar a Palavra
“Ninguém vos poderá tirar a vossa alegria”. Medito nestas palavras e no que elas me querem dizer. A minha recusa de toda e qualquer situação de sofrimento pode significar a recusa de uma alegria que ninguém me pode tirar. Se pretendo que a minha vida seja vivida sem riscos para não ter que sofrer com os fracassos; se fujo das dificuldades para não experimentar a aflição; se me fecho em mim para não ter que enfrentar os embates com o mundo e com os outros; se me nego a enfrentar a morte para não perder a vida, então não chegarei a experimentar a verdadeira alegria. A alegria será tanto maior quanto mais arriscar perder, quanto maior for a luta, quanto mais sair de mim e quanto mais gastar a vida. Porque tudo se ganha quando tudo se dá.

Rezar a Palavra
Tantas perguntas para fazer, Senhor. Agora é que eu tenho perguntas e as respostas parecem tão poucas e curtas. E tu dizes-me que “nesse dia, não te farei nenhuma pergunta”. Pois, nesse dia verei tudo e já não terei dúvidas nem incertezas. Hoje, Senhor, hoje tenho tantas perguntas sem resposta e tantas respostas para perguntas que nunca fiz. Que o meu coração se alegre nas perguntas que te faço com a esperança na resposta que só com coração posso entender.

Compromisso
Eu posso e quero viver todo este dia na alegria de Deus presente em mim.