Jesus revela o Pai e o Espírito

 

Feito homem, o Verbo, a Palavra do Pai, Jesus não se preocupa com a linguagem técnica da filosofia que procura explicar com termos conplicados e confusos - como natureza, pessoa, essência, substância – para falar do Deus Trinitário. Muito simplesmente, Jesus, viveu como vivemos todos nós. Vive tal como é. Vive como Filho único. Abrindo o Evangelho percebemos que Jesus tem apenas uma preocupação que é fazer a vontade do Pai, pensar no Pai, falar com o Pai. Há, entre Jesus e o Pai, uma relação familiar, um parentesco que é visível na sua vida e na sua palavra.

 

Jesus, Filho único de Deus, ele próprio Deus, fala desse Pai como de uma pessoa distinta dele: "Tudo o que é meu é teu e tudo o que é teu é meu" (Jo 17,10). Ao mesmo tempo percebemos que há entre eles uma unidade perfeita: "Eu e o Pai somos um só" (Jo 10,3), "Eu estou no Pai e o Pai está em Mim" (14,11), "Quem me vê, vê o Pai" (14,9).

 

 

Na parte final da sua vida, Jesus anuncia uma terceira Pessoa divina: "Agora vou para aquele que me enviou, e ninguém de vós me pergunta: ‘Para onde vais?’ 6Mas, por vos ter anunciado estas coisas, o vosso coração ficou cheio de tristeza. 7Contudo, digo-vos a verdade: é melhor para vós que Eu vá, pois, se Eu não for, o Paráclito não virá a vós; mas, se Eu for, Eu vo-lo enviarei" (Jo 16,5s). Um Espírito bem distinto não só do Pai como também do Filho, mas que é um só com o Pai: "O Espírito sonda todas as coisas, até às profundidades de Deus (1Cor 2,10); um Espírito que é um com o Filho: "O Senhor é o Espírito… ação do Senhor que é Espírito" (2 Cor 3,17-18).

 

 

A Palavra revelada coloca-nos diante das pessoas distintas do Pai, do Filho e do Espírito Santo, falando de todas como Deus e coloca-nos diante da sua unidade mostrando-nos que se trata de um só Deus. A Palavra impõe-nos a verdade de um só Deus em três pessoas.

 

 

Adptado de: Rey-Mermet, A fé explicada aos jovens e adultos