“Deus Pai todo-poderoso”

Para passar do “deus desconhecido” ao conhecimento do verdadeiro Deus, é preciso acolher a Revelação que este Deus faz de si mesmo através da história, em Jesus Cristo e na Igreja. É preciso assumir o nosso Credo: “Creio em Deus Pai todo-poderoso”. “Todo-poderoso” é um daqueles nomes que nos fazem temer. Parece que Deus há de ser terrível, temível, fulminante, inflexível. A verdade, no entanto, revela ser outra a face de Deus. Por outro lado, parece bom crer num Deus todo-poderoso. Fizemos uma grande descoberta.

 

Vendo bem o que dizemos no Credo, descobrimos outra palavra “Pai”, “Deus Pai todo-poderoso”. Então aí o nosso pensamento fica perplexo. Um Deus que é Pai não pode ser todo-poderoso. Não cremos num Deus todo-poderoso, cremos num “Deus Pai”. Professamos a fé num “Pai todo-poderoso”.


A palavra “Pai” aparece aqui como uma realidade inesperada que altera tudo. “Deus” já não pode ter o mesmo sentido e a expressão “Todo-poderoso também tem que ter um sentido novo.


O conhecimento que tínhamos de Deus fazia de nós adoradores de um “deus desconhecido”. Percebendo Deus como um “Pai” que é “todo-poderoso” altera tudo mas dá-nos uma visão mais perfeita da realidade que Deus é. O “Pai” é alguém que nos envolve no amor, então Deus é um Deus de amor e é todo-poderoso no amor.


Foi no amor que Deus se aproximou de nós, tornou-se mais próximo, o mais próximo, o “próximo” da humanidade. Um Pai próximo que está presente mesmo antes de sabermos quem Ele é e antes de sabermos que é Pai. Então, quando chamamos Deus, chamamos pelo Pai como um filho. 

 

 

Adaptado de: Rey-Mermet, A fé explicada aos jovens e adultos