Ninguém jamais viu a deus

A avaliar pelos nossos sentidos, Deus não existiria. Alguns pensam que se Deus existisse, a sua existência saltaria à vista, serie evidente. É o que pensa o astronauta soviético, Gagarin, quando diz que a sua nave espacial não se cruzou com Deus na atmosfera. Muitos como ele eliminam Deus das suas vidas porque não o encontram na rua ou no canto de uma capela ou convento. Outros, os crentes, pensam que qualquer pessoa honesta pode conhecer a Deus sem hesitação nem dificuldade. Daí concluem que os ateus, os “sem Deus”, ou são imbecis ou desonestos.

 

O Concilio Vaticano I explica que o homem pode chegar, pela razão, a um conhecimento certo da existência de Deus. Isso, porém, supõe que o ambiente não esteja infetado de ateísmo e que os crentes não apresentem uma imagem falsa de Deus.

 

A razão humana não consegue construir uma demonstração rigorosa da existência de Deus. Não se pode falar de provas da existência de Deus, mas de meios (vias) para Deus, aproximações de Deus através da razão. Deus é discreto, não quer impor-se ao homem como dois e dois são quatro. Se assim fosse todas as pessoas sábias e não sábias, desonestos e inteligentes afirmariam sem dúvidas a existência de Deus como todos são capazes de dizer que a terra gira à volta do sol. Não, a existência de Deus não é evidente.

 

“Ninguém jamais viu a Deus”, diz S. João (Jo 1,18). E S. Paulo fala daquele “que nenhum homem viu, nem pode ver” (1Tm 6,16).

 

Mais ainda: nenhum instrumento, nenhum microscópio eletrónico, nenhum radar espacial pode detetar a sua presença. A radioestesia jamais captou dele a mais pequena radiação… conclui-se daí que Deus não existe?

 

Seria lamentavelmente simplista esta resposta. Deus, se existe, só pode ser invisível. Porque Deus é puro espírito. Sendo Amor, ele não arromba portas.

 

O cineasta Henri-Georges Clouzot dizia numa entrevista: “Se alguma coisa me ajudou a acreditar foi a ausência de provas da existência de Deus. Deus oculto. Para mim, essa ausência de provas constitui a primeira prova: pois se Deus respeita o homem, deve querer da nossa parte uma adesão livre; ele não deve colocar-nos na necessidade de crermos nele”.

 

Deus é invisível. O verdadeiro Deus só pode ser invisível.

 

 

 

Adpatação de : Rey-Mermet, A fé explicada aos jovens e adultos