Sábado depois das Cinzas

LEITURA Is 58, 9b-14
Eis o que diz o Senhor: «Se tirares do meio de ti toda a opressão, os gestos de ameaça e as palavras ofensivas, se deres do teu pão ao faminto e matares a fome ao indigente, brilhará na escuridão a tua luz e a tua noite será como o meio-dia. O Senhor será sempre o teu guia e saciará a tua alma nos lugares desertos. Dará vigor aos teus ossos e tu serás como o jardim bem regado, como nascente cujas águas nunca faltam. Reconstruirás as ruínas antigas e levantarás os alicerces seculares; e serás chamado ‘reparador de brechas’, ‘restaurador de casas em ruínas’. Se te abstiveres de profanar o sábado e de tratar de negócios no dia santificado, se chamares ao sábado as tuas delícias e o consagrares à glória do Senhor, se o respeitares não fazendo viagens, evitando os teus negócios e empreendimentos, então encontrarás no Senhor as tuas delícias; Eu te levarei em triunfo às alturas da terra e farei que te alimentes da herança de teu pai Jacob». Assim falou a boca do Senhor.

 

 

Compreender a Palavra
Continuando o texto bíblico proclamado na celebração de sexta feira, Isaías, aprofunda a reflexão sobre as obras que agradam ao Senhor, as obras de misericórdia, que podemos dividir em duas partes. Na primeira parte Deus identifica-se com o oprimido, o faminto e o pobre. O que fizeres ao outro reverterá numa recompensa inesperada, serás como um jardim, como uma nascente de água. O bem feito aos irmãos é importante aos olhos de Deus e vem em primeiro lugar, mas, aquele que assim ama os irmãos, volta-se para o Senhor de todo o coração. Por isso, na segunda parte do texto, Isaías recorda a importância do sábado como dia do Senhor. Respeitar o sábado, libertando-o dos interesses materiais simbolizados nos negócios, é caminho para o encontro com o Senhor e a recompensa será a herança prometida a Jacob.
 
Meditar a Palavra
O texto de Isaías recorda o juízo final de Mateus, “o que fizestes ao mais pequenino foi a mim que o fizestes… ou deixastes de fazer ”. Na verdade quando saciamos o faminto o Senhor sacia-nos a nós, não deixando que a farinha se esgote na panela nem o azeite na almotolia (Cf. 1Reis 17). Quando afastamos de nós a opressão o Senhor torna-se o guia para os nossos passos. A vida dada aos outros transforma-se num jardim, numa nascente de água que não se esgota. “Dai e dar-se-vos-á” (Lc 6), dirá Jesus mais tarde. Quem assim trabalha constrói, edifica, repara, restaura. Os passos que nos orientam para os pobres são passos que nos levam a Deus. Por isso Isaías alerta para a necessidade de respeitar o dia do Senhor e fazer deste dia um dia de “delícias”, um dia que encanta e alegra a nossa vida.
 
Rezar a Palavra
Sacia-me Senhor… e guia os meus passos pelos teus caminhos. Que eu saiba encontrar-te no oprimido e servir-te no faminto. Que eu saiba acolher-te no pobre e amar-te no indigente. Que a tua luz brilhe sobre mim como o sol do meio dia e o meu coração se transforme numa nascente de água que sacia os sedentos de amor. Que eu possa ser como um jardim aprazível onde todos encontram descanso e saiba descansar em ti, de todas as minhas preocupações.
 
Compromisso
Vou repartir uma parte dos bens que o Senhor me oferecer ao longo do dia.