Quarta-feira de Cinzas (Leitura 1)

LEITURA Joel 2, 12-18
Diz agora o Senhor: «Convertei-vos a Mim de todo o coração, com jejuns, lágrimas e lamentações. Rasgai o vosso coração e não os vossos vestidos. Convertei-vos ao Senhor, vosso Deus, porque Ele é clemente e compassivo, paciente e misericordioso, pronto a desistir dos castigos que promete. Quem sabe se Ele não vai reconsiderar e desistir deles, deixando atrás de Si uma bênção, para oferenda e libação ao Senhor, vosso Deus? Tocai a trombeta em Sião, ordenai um jejum, proclamai uma reunião sagrada. Reuni o povo, convocai a assembleia, congregai os anciãos, reuni os jovens e as crianças. Saia o esposo do seu aposento e a esposa do seu tálamo. Entre o vestíbulo e o altar, chorem os sacerdotes, ministros do Senhor, dizendo: ‘Perdoai, Senhor, perdoai ao vosso povo e não entregueis a vossa herança à ignomínia e ao escárnio das nações. Porque diriam entre os povos: Onde está o seu Deus?’». O Senhor encheu-Se de zelo pela sua terra e teve compaixão do seu povo. 

 

 

asdasdasd
quarta-feira
LEITURA Joel 2, 12-18
Diz agora o Senhor: «Convertei-vos a Mim de todo o coração, com jejuns, lágrimas e lamentações. Rasgai o vosso coração e não os vossos vestidos. Convertei-vos ao Senhor, vosso Deus, porque Ele é clemente e compassivo, paciente e misericordioso, pronto a desistir dos castigos que promete. Quem sabe se Ele não vai reconsiderar e desistir deles, deixando atrás de Si uma bênção, para oferenda e libação ao Senhor, vosso Deus? Tocai a trombeta em Sião, ordenai um jejum, proclamai uma reunião sagrada. Reuni o povo, convocai a assembleia, congregai os anciãos, reuni os jovens e as crianças. Saia o esposo do seu aposento e a esposa do seu tálamo. Entre o vestíbulo e o altar, chorem os sacerdotes, ministros do Senhor, dizendo: ‘Perdoai, Senhor, perdoai ao vosso povo e não entregueis a vossa herança à ignomínia e ao escárnio das nações. Porque diriam entre os povos: Onde está o seu Deus?’». O Senhor encheu-Se de zelo pela sua terra e teve compaixão do seu povo. 
Compreender a Palavra
Joel é um profeta muito interessante, vale a pena lê-lo. Ele é capaz de perceber a presença de Deus e a sua mensagem nas coisas simples da vida quotidiana, porque contempla a vida com os olhos da novidade permanente. Neste texto que escutamos em quarta-feira de cinzas, salta à vista a afirmação de abertura “convertei-vos a mim” que logo encontra seguimento na expressão “convertei-vos ao Senhor, vosso Deus”. A urgência da conversão obriga à reunião do povo em assembleia litúrgica “Reuni o povo, convocai a assembleia, congregai…”. Os sacerdotes emprestam a sua voz e são manifestação dos sentimentos de todo o povo, repetindo continuamente entre choro e lamentação: “Perdoai, Senhor, perdoai ao vosso povo…”. Por outro lado Deus é clemente, compassivo, paciente, misericordioso e cheio de compaixão pelo seu povo. Ninguém poderá por em causa a misericórdia do Senhor, pois ele é “pronto a desistir do castigo”. 
Meditar a Palavra
Perante esta palavra comunicada por Joel, sou confrontado com a misericórdia de Deus. Ao contrário do que muitas vezes entendemos, pela interpretação que damos às palavras dos profetas, Deus não precisa que nos arrependamos para ser misericordioso para connosco, nem depende no nosso arrependimento a capacidade que Deus tem em perdoar. Deus é misericordioso e perdoa sempre, mesmo quando não nos reconhecemos pecadores e não temos intenção de nos arrependermos. É esta força do amor misericordioso de Deus por nós, um amor que se revela como perdão incondicional, que faz o pecador “rasgar o coração” e perceber que não pode continuar obstinadamente no caminho do mal. O amor misericordioso de Deus atrai o pecador que, sabendo-se amado, deseja amar aquele que o amou primeiro.
Rezar a Palavra
“Perdoai, Senhor, perdoai ao vosso povo”. Esta é a minha oração de hoje, Senhor. Nos meus lábios as palavras que tu próprio me ensinas. Por ti, só por ti, posso dizer “perdoa-me”. É na força do teu amor incondicional por mim, que encontro a capacidade de me reconhecer pecador e de me dirigir a ti, dizendo “não sou digno”, “perdoa-me, Senhor minha culpa e meu pecado”.
Compromisso
Inicio, hoje, o meu caminho de conversão reunindo-me com os meus irmãos na celebração litúrgica das cinzas.
asdasd

Compreender a Palavra
Joel é um profeta muito interessante, vale a pena lê-lo. Ele é capaz de perceber a presença de Deus e a sua mensagem nas coisas simples da vida quotidiana, porque contempla a vida com os olhos da novidade permanente. Neste texto que escutamos em quarta-feira de cinzas, salta à vista a afirmação de abertura “convertei-vos a mim” que logo encontra seguimento na expressão “convertei-vos ao Senhor, vosso Deus”. A urgência da conversão obriga à reunião do povo em assembleia litúrgica “Reuni o povo, convocai a assembleia, congregai…”. Os sacerdotes emprestam a sua voz e são manifestação dos sentimentos de todo o povo, repetindo continuamente entre choro e lamentação: “Perdoai, Senhor, perdoai ao vosso povo…”. Por outro lado Deus é clemente, compassivo, paciente, misericordioso e cheio de compaixão pelo seu povo. Ninguém poderá por em causa a misericórdia do Senhor, pois ele é “pronto a desistir do castigo”. 

Meditar a Palavra

Perante esta palavra comunicada por Joel, sou confrontado com a misericórdia de Deus. Ao contrário do que muitas vezes entendemos, pela interpretação que damos às palavras dos profetas, Deus não precisa que nos arrependamos para ser misericordioso para connosco, nem depende no nosso arrependimento a capacidade que Deus tem em perdoar. Deus é misericordioso e perdoa sempre, mesmo quando não nos reconhecemos pecadores e não temos intenção de nos arrependermos. É esta força do amor misericordioso de Deus por nós, um amor que se revela como perdão incondicional, que faz o pecador “rasgar o coração” e perceber que não pode continuar obstinadamente no caminho do mal. O amor misericordioso de Deus atrai o pecador que, sabendo-se amado, deseja amar aquele que o amou primeiro.

Rezar a Palavra

“Perdoai, Senhor, perdoai ao vosso povo”. Esta é a minha oração de hoje, Senhor. Nos meus lábios as palavras que tu próprio me ensinas. Por ti, só por ti, posso dizer “perdoa-me”. É na força do teu amor incondicional por mim, que encontro a capacidade de me reconhecer pecador e de me dirigir a ti, dizendo “não sou digno”, “perdoa-me, Senhor minha culpa e meu pecado”.

Compromisso
Inicio, hoje, o meu caminho de conversão reunindo-me com os meus irmãos na celebração litúrgica das cinzas.