Terça-feira da Semana V do Tempo Comum

EVANGELHO Mc 7, 1-13
Naquele tempo, reuniu-se à volta de Jesus um grupo de fariseus e alguns escribas que tinham vindo de Jerusalém. Viram que alguns dos discípulos de Jesus comiam com as mãos impuras, isto é, sem as lavar. – Na verdade, os fariseus e os judeus em geral só comem depois de lavar cuidadosamente as mãos, conforme a tradição dos antigos. Ao voltarem da praça pública, não comem sem antes se terem lavado. E seguem muitos outros costumes a que se prenderam por tradição, como lavar os copos, os jarros e as vasilhas de cobre –. Os fariseus e os escribas perguntaram a Jesus: «Porque não seguem os teus discípulos a tradição dos antigos, e comem sem lavar as mãos?». Jesus respondeu-lhes: «Bem profetizou Isaías a respeito de vós, hipócritas, como está escrito: ‘Este povo honra-Me com os lábios, mas o seu coração está longe de Mim. É vão o culto que Me prestam, e as doutrinas que ensinam não passam de preceitos humanos’. Vós deixais de lado o mandamento de Deus, para vos prenderdes à tradição dos homens». Jesus acrescentou: «Sabeis muito bem desprezar o mandamento de Deus, para observar a vossa tradição. Porque Moisés disse: ‘Honra teu pai e tua mãe’; e ainda: ‘Quem amaldiçoar o seu pai ou a sua mãe deve morrer’. Mas vós dizeis que se alguém tiver bens para ajudar os seus pais necessitados, mas declarar esses bens como oferta sagrada, nesse caso fica dispensado de ajudar o pai ou a mãe. Deste modo anulais a palavra de Deus com a tradição que transmitis. E fazeis muitas coisas deste género».

 

 

Compreender a Palavra
Um grupo de fariseus e escribas vieram de Jerusalém para estar com Jesus. Vieram confrontar Jesus. Apresentaram-se cheios de sabedoria e conhecimento das leis e tradições e quiseram confrontar as atitudes de Jesus e dos discípulos. Jesus aproveita para os confrontar a eles com os mandamentos de Deus. As palavras de Jesus recordam aos presentes que o importante não são as tradições dos homens mas os mandamentos de Deus. O mais importante não é o estrito cumprimento da lei mas o coração com que se põe em prática a lei. Na sua inteligência os escribas e fariseus são até capazes de fazer com que a lei diga o que eles querem, isso é uma habilidade. Mas a verdadeira sabedoria, está no coração que aproveita a lei para se moldar à vontade de Deus.
 
Meditar a Palavra
As expressões de que Jesus se serve para responder aos fariseus e escribas “seguem… costumes a que se prenderam por tradição”, “honram-me com os lábios”, “É vão o culto que me prestam”, “deixais de lado o mandamento de Deus”, “sabeis muito bem desprezar o mandamento de Deus”, são expressões que tocam bem dentro de nós mesmos. Ao ler estas palavras fui-me questionando se a minha vida cristã, a minha relação com Deus e com os outros, não está assente em normas de conduta exterior que não passam pelo coração. Percebo que Jesus hoje me mostra que podia ser mais feliz se fizesse as coisas com o coração e não como cumprimento exterior de leis e preceitos.
 
Rezar a Palavra
Percebo, Senhor, o que queres dizer com esta afirmação “a letra mata mas o espírito dá vida” e aquela outra em que dizes “os filhos das trevas são mais esperto que os filhos da luz”. De facto, Senhor, gasto a minha vida, o meu tempo, o meu esforço por nada, muitas vezes, porque não uso o coração. Quantos gestos vazios, sem proveito? Quanta fachada sem vida? Quanta aparência sem conteúdo? Os filhos das trevas sabem tirar partido. E eu, filho da luz, tocando nas coisas sagradas, não sei aproveitar a riqueza que me ofereces. Que eu use a minha inteligência para te amar e não para fugir do teu amor no cumprimento estéril das tradições.
 
Compromisso

Hoje vou estar atento para fugir das rotinas a que me habituei e me levam a fazer as coisas sem coração e vou criar novas situações para me encontrar com Jesus.