Segunda-feira da Semana V do Tempo Comum

EVANGELHO Mc 6, 53-56
Naquele tempo, Jesus e os seus discípulos fizeram a travessia do lago e vieram para terra em Genesaré, onde aportaram. Quando saíram do barco, as pessoas reconheceram logo Jesus; então percorreram toda aquela região e começaram a trazer os doentes nos catres, para onde ouviam dizer que Ele estava. Nas aldeias, cidades ou casais onde Jesus entrasse, colocavam os enfermos nas praças públicas e pediam que os deixasse tocar-Lhe ao menos na orla do manto. E todos os que O tocavam ficavam curados.

 

 

Compreender a Palavra
Jesus é reconhecido ao descer do barco e a notícia espalha-se rapidamente, sinal de que a sua chegada é uma boa notícia para todos mas em especial para os doentes, porque conhecem a fama de Jesus. Os doentes são trazidos nos catres, o que significa que não podem vir pelo próprio pé e manifesta o esforço que muitos realizam para os trazer. Este esforço denota uma fé subjacente. A confiança em Jesus e no seu poder é tão grande que lhes basta tocar na orla do manto. Podemos também apreciar a força deste verbo “tocar”; é um gesto muito habitual em Jesus, que aqui é usado pelos doentes.
 
Meditar a Palavra
Conhecer Jesus, identificá-lo, distingui-lo entre muitos. Há um exercício interior que é necessário fazer para chegar ao conhecimento de Jesus. Não posso confundi-lo com outros, nem me pode passar despercebido. A incapacidade de conhecer Jesus põe em causa a possibilidade do meu encontro com Ele e a oportunidade do anúncio. A presença de Jesus é poderosa ao ponto de curar todos quantos se encontram doentes. Fazem falta braços que tragam os doentes a Jesus e lhes proporcionem a cura que por si mesmos não conseguem obter, porque não se podem deslocar. O desafio de Jesus é grande. Ele pede-me que seja força para trazer os mais fracos à sua presença. Por outro lado, também eu, como doente, preciso de aprender a confiança em Jesus ao ponto de desejar tocar-lhe para ser curado.
 
Rezar a Palavra
Deixa-me tocar-te Senhor. Deixa que as minhas mãos toquem a orla do teu manto. A tua força vai mais longe do que tu e pode chegar a mim como cura libertadora das minhas impossibilidades. A tua força pode fazer com que caminhe por mim mesmo ao teu lado. A força libertadora que ofereces pode tornar-se em mim capacidade para viver com dignidade na tua presença. Deixa-me tocar-te para que tudo em mim se transforme em vida.
 
Compromisso
Vou visitar alguém que está doente e falar-lhe de Jesus.