Quinta-feira da Semana IV do Tempo Comum

Evangelho: Mc 6, 7-13
Naquele Tempo, Jesus chamou os Doze e começou a enviá-los dois a dois e deu-lhes poder sobre os espíritos malignos. Ordenou-lhes que nada levassem para o caminho, a não ser um cajado: nem pão, nem alforge, nem dinheiro no cinto; que fossem calçados com sandálias e não levassem duas túnicas. E disse-lhes também: «Em qualquer casa em que entrardes, ficai nela até partirdes dali. E se não fordes recebidos numa localidade, se os seus habitantes não vos ouvirem, ao sair de lá, sacudi o pó dos vossos pés, em testemunho contra eles.» Eles partiram e pregavam o arrependimento, expulsavam numerosos demónios, ungiam com óleo muitos doentes e curavam-nos.

 

 

Compreender a Palavra
Marcos relato um momento particularmente importante. Jesus chama os Doze e envia-os com o seu próprio poder. Os Doze foram chamados para serem enviados e não para serem um grupo fechado. Recebem de Jesus as instruções necessárias. Estas instruções mostram a liberdade com que os discípulos de Cristo vivem diante do mundo e a confiança com que enfrentam as adversidades. No final vemos como os Doze realizaram a missão que Jesus lhes confiou.

Meditar a Palavra
Esta liberdade total incomoda. Discípulos de Cristo apenas com um cajado nas mãos. O homem eleva-se acima das coisas do mundo e não coloca nelas a sua confiança. Chega a ser assustador pensar que, de repente, me vejo apenas com um cajado nas mãos. Esta liberdade não parece ser possível nos nossos dias. Diante desta liberdade sinto que ainda não passei do conhecimento de Cristo para a experiência vital com Ele. Só Ele me pode fazer experimentar esta liberdade como uma forma totalmente outra de me realizar. 

Rezar a Palavra
Senhor, o modo como te apresentas no mundo e propões aos teus discípulos que se apresentem é sedutora mas também assustadora. Essa liberdade do nada ter, a liberdade de a ninguém se prender amando a todos, esse estar acima das circunstâncias e do mal (dos espíritos impuros) atrai o meu coração. Mas, ao mesmo tempo vejo-me seduzido pelas sandálias, pelas túnicas, pelo dinheiro. Também sinto falta do elogio dos amigos. Experimento como todos a atração para o mal que quero expulsar. Faz-me perceber, como fizeste aos apóstolos, que estar contigo e viver por ti vale mais que todos os reinos da terra.

Compromisso
Hoje vou-me desprender de algo que me tem seduzido e me impede de amar a Deus.