Quinta-feira depois da Epifania

Evangelho (Lc 4, 14-22a)

Naquele tempo, Jesus voltou para a Galileia, com a força do Espírito, e a sua fama propagou-se por toda a região. Ensinava nas sinagogas e era elogiado por todos. Foi então a Nazaré, onde Se tinha criado. Segundo o seu costume, entrou na sinagoga a um sábado e levantou-Se para fazer a leitura. Entregaram-Lhe o livro do profeta Isaías e, ao abrir o livro, encontrou a passagem em que estava escrito: «O Espírito do Senhor está sobre mim, porque Ele me ungiu para anunciar a boa nova aos pobres; Ele Me enviou a proclamar a redenção aos cativos e a vista aos cegos, a restituir a liberdade aos oprimidos e a proclamar o ano da graça do Senhor».

Depois enrolou o livro, entregou-o ao ajudante e sentou-Se. Estavam fixos em Jesus os olhos de toda a sinagoga. Começou então a dizer-lhes: «Cumpriu-se hoje mesmo esta passagem da Escritura que acabais de ouvir». Todos davam testemunho em seu favor e se admiravam da mensagem da graça que saía da sua boca.

 

Compreender a Palavra

Lucas situa-nos na Galileia, no início da vida pública de Jesus. Apresenta-o cheio do Espírito Santo e na sinagoga em dia de culto (Sábado). A fama de Jesus é já conhecida. Ele levanta-se para fazer a leitura e lê o texto de Isaías que fala da ação libertadora do Espírito através do seu ungido. É uma ação concreta (dar vista aos cegos, libertar os oprimidos, redenção aos cativos, anunciar a Boa Nova aos pobres). As pessoas tomam atitudes diante de Jesus: Começam por fixar nele o olhar e depois falam com admiração pelas suas palavras cheias de graça. Jesus comunica a todos a atualidade da palavra de Isaías: “Cumpriu-se hoje esta palavra que acabais de escutar”.

 

Meditar a Palavra

Podem fazer-se muitas reflexões sobre este texto. Assinalo apenas esta ideia: Os que estavam na sinagoga começaram por escutar o texto de Isaías, depois cravaram o olhar em Jesus e finalmente falavam dele com admiração. Esta palavra pede que seja capaz de fazer o mesmo percurso. Escutando a Palavra de Deus e meditando nela diariamente, chegarei a ver Jesus reconhecendo-o como aquele em quem se cumprem todas as palavras do antigo e do novo testamento. Esse reconhecimento de Jesus há de levar-me a admirá-lo ou seja, a reconhecê-lo como Senhor e Deus, a adorá-lo com todo o coração e a anunciá-lo com a boca como diz S. Paulo: “se confessares com a tua boca: «Jesus é o Senhor», e acreditares no teu coração que Deus o ressuscitou de entre os mortos, serás salvo. É que acreditar de coração leva a obter a justiça, e confessar com a boca leva a obter a salvação.” (Rom 10,9-10). Isto acontece hoje se eu quiser. Não é algo para amanhã, muito menos não é para depois de eu morrer. É agora que Deus, em Jesus, me quer salvar.

 

Rezar a Palavra

Senhor fiquei impressionado com a atitude dos que estavam na sinagoga a ouvir-te. Eles tinham os olhos fixos em Ti. É tão bonito isto. Também gostava de fixar em ti o meu olhar. Gostava de ter-te sempre no meu olhar. Sabes! Há tantas coisas bonitas neste mundo que eu fico confuso e perco-me de ti. E há tantas coisas que me seduzem que eu tantas vezes me esqueço do teu olhar e de como sou feliz quando me fixo em ti. Ensina, Senhor, o meu coração a fixar-se em ti para não querer nem amar nada nem ninguém mais do que a ti.

 

Compromisso

Vou guardar no meu coração uma frase do evangelho de hoje e repeti-la muitas vezes ao longo do dia.