Terça-feira da Semana XXXIV do Tempo Comum

EVANGELHO Lc 21, 5-11
Naquele tempo, comentavam alguns que o templo estava ornado com belas pedras e piedosas ofertas. Jesus disse-lhes: «Dias virão em que, de tudo o que estais a ver, não ficará pedra sobre pedra: tudo será destruído». Eles perguntaram-Lhe: «Mestre, quando sucederá isto? Que sinal haverá de que está para acontecer?». Jesus respondeu: «Tende cuidado; não vos deixeis enganar, pois muitos virão em meu nome e dirão: ‘Sou eu’; e ainda: ‘O tempo está próximo’. Não os sigais. Quando ouvirdes falar de guerras e revoltas, não vos alarmeis: é preciso que estas coisas aconteçam primeiro, mas não será logo o fim». Disse-lhes ainda: «Há-de erguer-se povo contra povo e reino contra reino. Haverá grandes terramotos e, em diversos lugares, fomes e epidemias. Haverá fenómenos espantosos e grandes sinais no céu».

 

 

sdadasd
Terça-feira da Semana XXXIV do Tempo Comum
EVANGELHO Lc 21, 5-11
Naquele tempo, comentavam alguns que o templo estava ornado com belas pedras e piedosas ofertas. Jesus disse-lhes: «Dias virão em que, de tudo o que estais a ver, não ficará pedra sobre pedra: tudo será destruído». Eles perguntaram-Lhe: «Mestre, quando sucederá isto? Que sinal haverá de que está para acontecer?». Jesus respondeu: «Tende cuidado; não vos deixeis enganar, pois muitos virão em meu nome e dirão: ‘Sou eu’; e ainda: ‘O tempo está próximo’. Não os sigais. Quando ouvirdes falar de guerras e revoltas, não vos alarmeis: é preciso que estas coisas aconteçam primeiro, mas não será logo o fim». Disse-lhes ainda: «Há-de erguer-se povo contra povo e reino contra reino. Haverá grandes terramotos e, em diversos lugares, fomes e epidemias. Haverá fenómenos espantosos e grandes sinais no céu».
                                                                         
Compreender a Palavra
Estamos perante a primeira parte de um discurso escatológico que tem como motivo o Templo de Jerusalém e a admiração dos que passavam ao ver a beleza e riqueza das ornamentações. Jesus aproveita estas observações para ensinar. A primeira afirmação desperta o interesse dos ouvintes que perguntam sobre o “quando” em que se dará a destruição do Templo. Então Jesus adverte: “Tende cuidado” para não vos deixardes enganar e para verdes os sinais que antecedem os factos.
 
Meditar a Palavra
A admiração das pessoas do tempo de Jesus perante a grandeza do Templo é semelhante à nossa admiração diante de todas as conquistas da ciência e da técnica. Aos contemporâneos de Jesus parecia impossível que o Templo pudesse ser destruído e Jesus diz-lhes que não ficará pedra sobre pedras. A nós, diz-nos como S. Paulo “ainda que eu conheça todos os mistérios e toda a ciência… nada sou”. Todas as coisas deste mundo são precárias e passageiras. Nada tem carácter permanente diante de Deus. Insensatos seremos se colocarmos a nossa segurança nas coisas deste mundo e se julgarmos que elas têm a última palavra. Do mesmo modo nos diz o Senhor relativamente às guerras, terramotos, fomes e epidemias. Parece que são o fim de tudo pelo seu poder destruidor, mas nada podem contra a vontade de Deus. O fim será quando Deus determinar e a sua vontade não está submetida às leis da natureza nem às decisões humanas. Fica-me, então, o aviso do Senhor: “Tende cuidado; não vos deixeis enganar”.
 
Rezar a Palavra
Ensina-me a vigiar para que os acontecimentos do mundo e da história não me surpreendam como um ladrão. Não permitas que me deixe seduzir pela grandeza das obras dos homens, pelos seus conhecimentos nem pelas conquistas da ciência e da técnica e coloque nestas realidades a minha segurança. Só tu, Senhor, permaneces de pé quando à minha volta tudo se desmorona não deixando pedra sobre pedra. Dá-me a consciência dos meus limites e dos limites deste mundo e mostra-me a tua grandeza para que só em ti ponha a minha confiança.
 
Compromisso
Quero reconhecer que todas as descobertas dos homens se devem ao poder de Deus que nelas se manifesta. 
 

Compreender a Palavra

Estamos perante a primeira parte de um discurso escatológico que tem como motivo o Templo de Jerusalém e a admiração dos que passavam ao ver a beleza e riqueza das ornamentações. Jesus aproveita estas observações para ensinar. A primeira afirmação desperta o interesse dos ouvintes que perguntam sobre o “quando” em que se dará a destruição do Templo. Então Jesus adverte: “Tende cuidado” para não vos deixardes enganar e para verdes os sinais que antecedem os factos.
 
Meditar a Palavra
A admiração das pessoas do tempo de Jesus perante a grandeza do Templo é semelhante à nossa admiração diante de todas as conquistas da ciência e da técnica. Aos contemporâneos de Jesus parecia impossível que o Templo pudesse ser destruído e Jesus diz-lhes que não ficará pedra sobre pedras. A nós, diz-nos como S. Paulo “ainda que eu conheça todos os mistérios e toda a ciência… nada sou”. Todas as coisas deste mundo são precárias e passageiras. Nada tem carácter permanente diante de Deus. Insensatos seremos se colocarmos a nossa segurança nas coisas deste mundo e se julgarmos que elas têm a última palavra. Do mesmo modo nos diz o Senhor relativamente às guerras, terramotos, fomes e epidemias. Parece que são o fim de tudo pelo seu poder destruidor, mas nada podem contra a vontade de Deus. O fim será quando Deus determinar e a sua vontade não está submetida às leis da natureza nem às decisões humanas. Fica-me, então, o aviso do Senhor: “Tende cuidado; não vos deixeis enganar”.
 
Rezar a Palavra
Ensina-me a vigiar para que os acontecimentos do mundo e da história não me surpreendam como um ladrão. Não permitas que me deixe seduzir pela grandeza das obras dos homens, pelos seus conhecimentos nem pelas conquistas da ciência e da técnica e coloque nestas realidades a minha segurança. Só tu, Senhor, permaneces de pé quando à minha volta tudo se desmorona não deixando pedra sobre pedra. Dá-me a consciência dos meus limites e dos limites deste mundo e mostra-me a tua grandeza para que só em ti ponha a minha confiança.
 
Compromisso

Quero reconhecer que todas as descobertas dos homens se devem ao poder de Deus que nelas se manifesta.