Os Sacramentos vida pelo Espírito

Sem o Espírito Santo, o que são os sacramentos? Ritos recebidos, tradicionais, muitas vezes folclóricos e sempre ineficazes. Ritualismo! Há tudo, matéria e forma. Inscreveu-se nos registos. Fez-se o que se devia! Sinais do velho instinto religioso mágico. 

 

Creio no Espírito Santo
140. OS SACRAMENTOS VIDA PELO ESPÍRITO
Sem o Espírito Santo, o que são os sacramentos? Ritos recebidos, tradicionais, muitas vezes folclóricos e sempre ineficazes. Ritualismo! Há tudo, matéria e forma. Inscreveu-se nos registos. Fez-se o que se devia! Sinais do velho instinto religioso mágico. 
Com o Espírito, os sacramentos são as ações de Cristo ressuscitado. “O que nasceu do Espírito é espírito”, diz São João. Nós, tornamo-nos seres espirituais levando uma vida espiritual, a própria vida do Espírito de amor, a Vida nova.
Todo o batismo se faz no Espírito Santo. “Quem não nasce da água e do Espírito não pode entrar no Reino de Deus” explicava Jesus a Nicodemos.
A Confirmação está ligada ao Batismo. Tornar-se Igreja é ficar unido a Cristo e receber o Espírito. Para que essa união seja mais clara estão os dois sacramentos – Batismo e Confirmação. O Batismo exprime particularmente a adesão a Jesus; a Confirmação exprime o acolhimento do Espírito. Chamados e enviados, homens novos capazes de dar vida, homens de Cristo cheio do Espírito.
A Eucaristia nasce do Espírito. Como poderemos dar glória ao Pai e ao Filho senão na unidade do Espírito Santo? Não há oração na liturgia eucarística que não termine com esta proclamação.
O perdão dos pecados, poder de Deus dado no dia da ressurreição com a efusão do Espírito Santo. “Recebei o Espírito Santo… Aqueles a quem perdoardes os pecados…” (Jo 20,22).
A unção dos doentes comunica ao homem que sofre a força do Espírito que faz viver e amar. Cura o coração e reabilita o corpo.
O sacerdócio ministerial recebido pela imposição das mãos concede a graça do Espírito Santo, Espírito principal, Espírito de Caridade.
O Matrimónio, lugar de comunhão, é dom do Espírito que de dois é capaz de fazer um só templo e transformá-lo em morada de Deus.
Sem o Espírito, os sacramentos são ritos vazios de sentido e desnecessários ao homem. Só o Espírito, agindo através da Igreja, transforma os gestos exteriores e manifestação da vida divina necessária ao homem.
Adaptado de: Rey-Mermet, A fé explicada aos jovens e adultos

Com o Espírito, os sacramentos são as ações de Cristo ressuscitado. “O que nasceu do Espírito é espírito”, diz São João. Nós, tornamo-nos seres espirituais levando uma vida espiritual, a própria vida do Espírito de amor, a Vida nova.


Todo o batismo se faz no Espírito Santo. “Quem não nasce da água e do Espírito não pode entrar no Reino de Deus” explicava Jesus a Nicodemos.


A Confirmação está ligada ao Batismo. Tornar-se Igreja é ficar unido a Cristo e receber o Espírito. Para que essa união seja mais clara estão os dois sacramentos – Batismo e Confirmação. O Batismo exprime particularmente a adesão a Jesus; a Confirmação exprime o acolhimento do Espírito. Chamados e enviados, homens novos capazes de dar vida, homens de Cristo cheio do Espírito.


A Eucaristia nasce do Espírito. Como poderemos dar glória ao Pai e ao Filho senão na unidade do Espírito Santo? Não há oração na liturgia eucarística que não termine com esta proclamação.
O perdão dos pecados, poder de Deus dado no dia da ressurreição com a efusão do Espírito Santo. “Recebei o Espírito Santo… Aqueles a quem perdoardes os pecados…” (Jo 20,22).


A unção dos doentes comunica ao homem que sofre a força do Espírito que faz viver e amar. Cura o coração e reabilita o corpo.


O sacerdócio ministerial recebido pela imposição das mãos concede a graça do Espírito Santo, Espírito principal, Espírito de Caridade.


O Matrimónio, lugar de comunhão, é dom do Espírito que de dois é capaz de fazer um só templo e transformá-lo em morada de Deus.


Sem o Espírito, os sacramentos são ritos vazios de sentido e desnecessários ao homem. Só o Espírito, agindo através da Igreja, transforma os gestos exteriores e manifestação da vida divina necessária ao homem.


Adaptado de: Rey-Mermet, A fé explicada aos jovens e adultos