Foi sepultado

Seria necessário colocar no Credo a afirmação sobre Jesus que refere "foi sepultado"? Talvez. S. Paulo considera importante ao referir aquilo que era convicção dos apóstolos: "Transmiti-vos em primeiro lugar aquilo que eu mesmo recebi: Jesus morreu pelos nossos pecados, segundo as escrituras. Foi sepultado, ressuscitou ao terceiro dia, segundo as escrituras. Apareceu a Cefas e depois aos Doze" (1Cor 15,3s).

 

A primeira realidade sublinhada por estas palavras é que Jesus foi de facto um homem como os outros, um corpo de homem. Outros artigos do Credo já tinham manifestado esta realidade: foi concebido, nasceu, padeceu, morreu… trata-se de realidades carnais.

 

Ter sido sepultado fala ainda mais alto porque mostra a realidade humana de Jesus até ao fim. "Foi" um homem de carne e osso. Não se pode sepultar um espírito, um anjo, uma alma, um fantasma, uma ideia, uma aparição, uma aparência. Jesus foi sepultado, quer dizer, ele foi homem verdadeiro, como um de nós. O último passo da sua encarnação é ser sepultado.

 

O Filho de Deus fez-se homem. Esta verdade revela que Jesus não ficou à margem, do lado de fora, a assistir de longe, mas entrou totalmente na realidade existencial de cada um de nós. É de dentro que Ele nos salva. De dentro do mundo ele transforma a humanidade e o cosmos.

 

 

Adptado de: Rey-Mermet, A fé explicada aos jovens e adultos.